fbpx

Cirurgia do Aparelho Digestivo

As cirurgias do aparelho digestivo são intervenções invasivas que podem ser necessárias em algumas situações específicas.

Essas cirurgias podem ser propulsoras de uma grande melhoria na qualidade de vida dos pacientes, já que podem afetar, inclusive, outras partes do organismo.

Enquanto algumas são minimamente invasivas, outras são abertas e com maior lesão de tecidos. Muitos fatores podem determinar a prescrição entre as duas.

Mas você sabe quais são as cirurgias do aparelho digestivo? Saiba mais:

Cirurgias do Aparelho Digestivo

A cirurgia do aparelho digestivo, também conhecida como cirurgia gastrointestinal, é um tratamento para doenças das partes do corpo envolvidas na digestão. 

Desse modo, inclui o esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso e o intestino reto. 

Além disso, esse tipo de cirurgia também pode incluir o fígado, a vesícula biliar e o pâncreas.

A cirurgia pode ser usada para remover um tumor canceroso ou não canceroso ou uma parte danificada do corpo, como o intestino. 

Também pode ser uma opção para corrigir algum problema na região, como uma hérnia (um buraco ou ponto fraco na parede do abdômen). 

Pequenos procedimentos cirúrgicos são usados ​​para rastrear e diagnosticar problemas do sistema digestivo.

As cirurgias bariátricas também se enquadram nessa categoria.

Além das cirurgias convencionais, esta região também possibilita as cirurgias minimamente invasivas, ou seja, que são realizadas a fim de minimizar os cortes, o tempo de recuperação e o impacto cirúrgico, em geral.

Condições que podem ser tratadas com cirurgia gastrointestinal

Conheça abaixo as condições gastrointestinais que podem ser tratadas com cirurgia:

Apendicite 

Quando o apêndice infecciona e inflama, pode ser removido a partir de uma cirurgia chamada apendicectomia, sem grandes danos ao organismo.

Câncer de cólon e outros cânceres gastrointestinais 

Esta cirurgia é feita para remover tumores cancerígenos no sistema digestivo e partes do sistema gastrointestinal que apresentam câncer. 

Por exemplo, um cirurgião pode remover um tumor, bem como parte do pâncreas, fígado ou intestino com câncer.

Doença diverticular

Um divertículo é uma pequena bolsa no cólon (intestino grosso). 

Não se sabe ao certo por que isso ocorre. Às vezes, eles podem ficar inflamados e causar dor (diverticulite). 

Isso geralmente é tratado sem cirurgia. Mas quando o paciente apresenta muitos divertículos que frequentemente ficam inflamados, o médico pode recomendar uma cirurgia de ressecção intestinal para remover essa parte do intestino.

Doença da vesícula biliar

Quando há um problema com a vesícula biliar – geralmente cálculos biliares – ela pode ser removida. 

A cirurgia para remover a vesícula biliar também é chamada de colecistectomia.

Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) e hérnias de hiato 

A DRGE, ou refluxo ácido, ocorre quando o ácido do estômago sobe para o esôfago (tubo alimentar) e causa azia. 

Às vezes, isso acontece por causa de uma hérnia de hiato. 

Esta, por sua vez, ocorre quando o estômago empurra o diafragma, um músculo que separa o tórax do abdômen. 

Desse modo, um cirurgião pode fazer uma cirurgia chamada fundoplicatura para corrigir. 

O médico irá corrigir a hérnia, se houver, e envolverá a parte superior do estômago ao redor da parte inferior do esôfago para fortalecer o esfíncter, que mantém o ácido longe.

Hérnia

Uma hérnia ocorre quando uma parte do corpo (como o intestino) passa por um orifício ou ponto fraco na parede do músculo ou tecido conjuntivo que deveria protegê-la (como o abdômen). 

Não sai pela pele, mas pode ser sentida uma protuberância sob a pele que não deveria estar lá. 

Além disso, os casos de hérnia também podem ser dolorosos. Desse modo, os cirurgiões gastrointestinais podem reparar o orifício ou ponto fraco que causam essa condição.

Doença inflamatória intestinal (doença de Crohn e colite ulcerosa)

Na doença inflamatória intestinal, o sistema imunológico ataca os intestinos e causa dor e inflamação. 

Isso pode causar danos ao intestino. Às vezes, as partes danificadas são removidas e as partes saudáveis ​​são reconectadas. 

Isso é chamado de ressecção intestinal.

Prolapso retal

A cirurgia gastrointestinal também pode ser uma opção usada para tratar o prolapso retal, uma doença em que parte do intestino passa pelo ânus e que pode causar dor, formação de úlceras, sangramento e incontinência fecal.

Perda de peso

Diferentes tipos de cirurgia bariátrica (por exemplo, bypass gástrico) podem ser feitos para tratar a obesidade. 

Essa cirurgia geralmente é feita por um especialista em cirurgia bariátrica, mas, assim como as demais cirurgias apresentadas nos tópicos acima, apenas pessoas com avaliação e diagnóstico adequado possuem aplicação para a execução desse procedimento, já que não são todos os indivíduos que podem se submeter a esta intervenção como medida para perda de peso.

Cirurgias gastrointestinais minimamente invasivas

A maioria das cirurgias apresentadas podem ser realizadas a partir de uma abordagem minimamente invasiva.

Isso quer dizer que se pode realizá-las com pequenos cortes e de forma mais otimizada do que as cirurgias abertas convencionais.

Exemplos disso incluem:

  • Úlcera péptica
  • Hérnia de hiato
  • Doenças infecciosas do cólon e reto
  • Esofagite de refluxo (ou DRGE) e suas complicações
  • Esôfago de Barrett
  • Lesão intestinal por radiação
  • Neoplasias primárias do estômago, intestino delgado, cólon e reto
  • Acalasia
  • Doença inflamatória intestinal 
  • Tumores gastrointestinais
  • Tumores hepáticos primários e metastáticos
  • Doenças benignas e malignas do trato biliar
  • Doenças benignas e malignas do pâncreas 

As cirurgias gastrointestinais minimamente invasivas também são conhecidas como laparoscópicas.

Trata-se de uma alternativa à cirurgia “aberta” tradicional, na qual uma grande incisão deve ser feita. 

No Hospital Certa, nossa equipe de profissionais oferece aos pacientes opções minimamente invasivas sempre que possível. 

Utiliza-se a opção laparoscópica para fazer incisões com apenas milímetros de tamanho.

Essas pequenas incisões criam uma passagem para instrumentos cirúrgicos especiais e para um laparoscópio, que, por sua vez, é um instrumento de fibra óptica inserido na parede abdominal. 

Este dispositivo transmite imagens de dentro do corpo para um monitor de vídeo, permitindo ao cirurgião ver a área operada na tela.

Vantagens da abordagem minimamente invasiva 

  • Recuperação mais rápida
  • Retorno mais rápido às atividades normais e ao trabalho
  • Tempo de internação mais curto
  • Taxa reduzida de infecção
  • Taxa de recorrência reduzida
  • Cicatriz mínima 

Nossa equipe usa as técnicas laparoscópicas mais avançadas para tratar diversos tipos de doenças gastrointestinais.

Mas mais importante ainda, cada tratamento é adaptado para atender às necessidades de cada paciente individual.

 

Fontes:

https://www.pennmedicine.org/for-patients-and-visitors/find-a-program-or-service/gastrointestinal-surgery/gi-surgeries

https://www.sbcp.org.br/revista/nbr253/P272_278.htm

https://www.nhs.uk/conditions/gastrectomy/